Salto em distância nas escolas

Nos Jogos de Pequim, Maurren Maggi ganhou ouro no salto em distância e tornou-se a primeira mulher sul-americana a conquistar um título olímpico em evento individual. Em 2009, logo após a escolha do Rio de Janeiro para sede da Olimpíada de 2016, o presidente da CBAt, Roberto Gesta de Melo, lançou o projeto “Vamos instalar 500 corredores de salto em distância no País”.

Maurren Maggi será madrinha do projeto

Consultada, Maurren imediatamente aceitou ser a madrinha do projeto: “Vou aonde for preciso para incentivar crianças e jovens a praticar a prova”, afirmou.

Gesta levou a proposta ao Ministério do Esporte e, inclusive, a CBAt doou à Prefeitura do Rio de Janeiro cinco corredores sintéticos a serem instalados pela administração municipal em áreas carentes da cidade. À época, o Presidente da CBAt pediu a adoção do projeto pelos Ministérios do Esporte e da Educação. “Levar o Atletismo à Escola é fundamental”, insiste Gesta.

“Já perdemos um tempo importante, desde que sugerimos a adoção do projeto, poderíamos já estar próximos de colher os primeiros frutos”, lembra o dirigente. “É fundamental que o Ministério do Esporte apoie a ideia temos de aproveitar o fato de termos a campeã olímpica da prova e a realização dos Jogos de 2016 no Rio, isto tudo é um grande atrativo. Se o Ministério acatar a proposta, certamente teremos muita gente praticando a prova no futuro”.

O importante, lembra Gesta, é que isso pode ser feito praticamente sem custo, não há necessidade de material sintético na iniciação. Basta uma pista para a corrida, que pode ser de terra batida, carvão, e uma caixa de areia, para amortecer a queda do saltador. “Sequer é preciso um espaço muito grande assim, certamente incontáveis escolas pelo País poderiam receber esses corredores de salto”, lembra o Presidente da Confederação.

Um exemplo fácil de seguir: há alguns anos, por iniciativa do professor Carlos Alberto Félix Silva, o Colégio Castelão (escola estadual na cidade paulista de Cubatão) disponibilizou uma área ociosa atrás dos prédios das salas de aula. Com material reciclável fornecido pela Prefeitura e pela Cosipa, basicamente pedras de calçamento e pó de carvão, foi montada uma pista de salto. Bastou um espaço de 25 metros para a corrida e uma caixa de areia de 5 metros.

“Como havia espaço disponível, o terreno era grande, ainda deu para montar uma área de arremesso do peso e uma pista de 220 metros, com quatro raias”, diz Carlos Alberto Felix. “Mas o corredor de salto exige um espaço pequeno”, afirma. “Hoje, os professores de educação física da escola usam a área para as aulas práticas. E cerca de 60 meninos e meninas treinam de forma permanente na equipe de Atletismo, com o professor Wagner Pereira”, conclui Carlos Alberto, que também é treinador responsável da equipe atlética do Brasil FC, de Santos, cidade vizinha a Cubatão.

Explore posts in the same categories: Atletismo, Categorias de Base

Tags: ,

You can comment below, or link to this permanent URL from your own site.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: